12 Razões Pelas Quais seus Seios Podem Doer!

A dor na mama, conhecida cientificamente como mastalgia, é um sintoma relativamente comum que afeta cerca de 70% das mulheres, e que, na maior parte das vezes, é causada por fortes alterações hormonais, como acontece na menstruação ou menopausa.

No entanto, a dor também pode estar relacionada com outras situações mais graves como mastite da amamentação, presença de cistos no seio, ou até mesmo, câncer de mama. Por isso, se dor ou o desconforto na mama permanecerem por mais de 15 dias ou se parecerem não estar relacionados com a menstruação ou menopausa, deve-se ir ao ginecologista para uma avaliação, e se preciso, realizar exames.

A dor na mama pode ainda ocorrer em apenas uma mama ou nas duas ao mesmo tempo, podendo até mesmo irradiar para o braço. Esta dor mamária pode ser leve, sendo considerada normal, mas também pode ser severa impedindo as realizações das tarefas diárias. Indicamos aqui as causas mais comuns de dor na mama:

Causas de Dor nos Seios:

1. Início da puberdade:

As meninas entre 10 e 14 anos, que estão entrando na puberdade, podem apresentar uma pequena dor ou desconforto nos seios que estão começando a crescer, e se tornam mais doloridos.

O que fazer: não é necessário nenhum tratamento específico, mas tomar banho com água morna pode aliviar o desconforto. Nessa fase também é importante usar um sutiã que confira um bom apoio para o tamanho do seio.

2. TPM ou menstruação:

Antes e durante a menstruação as alterações hormonais podem provocar dor na mama de algumas mulheres, não sendo grave, apesar de incomodar todos os meses. Nestes casos, a mulher pode sentir pequenas pontadas na mama ou sensibilidade aumentada, mesmo no bico da mama. Quando a dor é leve ou moderada e dura de 1 a 4 dias, ela é considerada normal, mas quando dura mais de 10 dias e irradia para o braço ou axila, deve ser avaliado por um ginecologista ou mastologista.

O que fazer: raramente é preciso tomar medicamentos, mas o uso contínuo da pílula anticoncepcional pode ajudar a aliviar os sintomas em cada menstruação. Quando a dor incomoda muito, o ginecologista poderá indicar a toma de Bromocriptina, Danazol e Tamoxifeno, ou como opções naturais, o Agnus Castus, Óleo de prímula, ou vitamina E, que devem ser tomados durante 3 meses para a seguir avaliar os resultados.

3. Gravidez:

As mamas podem ficar especialmente sensíveis no início e no final da gravidez, devido ao crescimento das glândulas mamárias e a produção de leite materno, por exemplo. Se suspeita que pode estar grávida confira 10 primeiros sintomas de gravidez.

O que fazer: colocar compressas mornas pode ajudar a aliviar o desconforto, assim como tomar um banho com água morna e massagear levemente a região. Na gravidez é recomendado também usar um sutiã de amamentação para um melhor suporte dos seios.

4. Cistos na mama:

Algumas mulheres têm um tecido mamário irregular chamado de seios fibrocísticos, que pode causar dor principalmente antes da menstruação. Esse tipo de problema não está ligado ao câncer, mas também causa a formação de nódulos nos seios que podem crescer ou desaparecer sozinho.

O que fazer: Nos casos em que a dor não está relacionada à menstruação, pode-se utilizar medicamentos como Tylenol, Aspirina ou Ibuprofeno, sob indicação médica. Saiba como é feito o tratamento para cisto na mama.

5. Mudança de anticoncepcional

Ao iniciar a toma ou mudar de anticoncepcional pode surgir a dor na mama, que pode ser leve ou moderada e geralmente afeta as duas mamas ao mesmo tempo, podendo haver também sensação de queimação.

O que fazer: Massagem durante o banho e uso de sutiã confortável pode ser uma boa solução enquanto o corpo não se adapta à pílula anticoncepcional, o que pode demorar de 2 a 3 meses.

Quando ir ao médico:

Deve-se procurar o médico quando a dor no peito for forte ou durar mais de 10 dias consecutivos, ou se ela surgir juntamente com sintomas como:

  • Secreção clara ou com sangue no mamilo;
  • Vermelhidão ou pus na mama;
  • Febre ou Surgimento de um caroço no seio que some após o período menstrual.

Além disso, é importante ir ao ginecologista pelo menos 1 vez por ano fazer exames que avaliem a saúde da mama e do aparelho reprodutor, prevenindo problemas e identificando doenças logo no início.

O médico normalmente avalia as mamas observando o local da dor, se existem alterações como assimetria ou retração da mama em algum ponto, e também busca ínguas inflamadas ou doloridas nas axilas ou nas clavículas, para verificar se há necessidade de solicitar exames como a mamografia, ultrassonografia ou ecografia da mama, principalmente se houver casos de câncer de mama na família.